A conhecida e milenar frase “A música é o remédio da alma” de Platão (427 a.C.), mostra que há muito tempo a música é reconhecida pelo seu papel terapêutico e no restabelecimento da harmonia do indivíduo.

A neurociência tem provado que a música ativa circuitos neurais, afeta as emoções e outras funções mentais, assim como também age no sistema endócrino, na produção de hormônios, e no sistema imunológico.

No livro “Mensagens da Água” Masaru Emoto mostra como o efeito do som afeta a estrutura molecular da água. Esse livro é resultado de um estudo no qual expôs a água a diferentes estímulos sonoros. Feito isso o pesquisador congelou a água e fotografou os cristais formados nesse processo. O resultado surpreendente revelou que composições de Beethoven, Bach e Mozart formam desenhos geométricos harmoniosos em seus padrões cristalinos, da mesma forma que sons dissonantes como o heavy metal deformam a cadeia de moléculas da água levando a formação de estruturas retorcidas.

image.jpeg

(fotos do Livro A Mensagem da Água, de Masaru Emoto)

Estas fotografias mostram como a água é responsiva aos estímulos externos. Se considerarmos que somos 70% água seria melhor nos importarmos mais com o que temos jogado pra dentro de nosso corpo através de nossos sentidos, sobretudo a audição.

Um outro trabalho, descrito no livro “O efeito Mozart”, descreve os benefícios da música desse e outros compositores sobre o corpo, a mente e a alma. Um estudo científico da Universidade da California, publicado na revista  Nature, em 1993, mostrou que estudantes que ouviram uma peça para piano de Mozart antes de realizar um teste tiveram melhor desempenho comparado ao grupo que teve outro ou nenhum estímulo.

Há também referências das 9 Sinfonias de Beethoven que estão relacionadas com as 9 esferas da Árvore da Vida da cabala hebraica (Livro As Três Montanhas, de Samael Aun Teor).

O francês Fabien Maman realizou um experimento mostrando sob um microscópio os impactos do som em células humanas e seus campos de energia. A partir desses estudos ele desenvolveu várias técnicas terapêuticas envolvendo sons para dissolver padrões energéticos negativos.

O filme “The music never stopped / A música nunca parou” (2011), de Oliver Sacks, também é uma demonstração prática da Musicoterapia. Gabriel rompe com sua família e anos mais tarde descobre um tumor no cérebro que compromete suas memórias recentes. Henry Sawyer é um pai que luta para se reconectar com o filho e é através da música que eles resgatam essa relação.

Existem muitas outras evidências sobre os benefícios da música nos nossos padrões energéticos. Por isso ….

TEREMOS MÚSICA E MANTRA ENTRE UMA CONVERSA E OUTRA.

Veja também Cientistas comprovam que ouvir a Quinta Sinfonia de Beethoven destrói células do câncer de mama

Inscreva-se no link Seguir no final da página para receber práticas de Yoga e Meditação por email.

Quer compartilhar com seus amigos ou deixar seu comentário? Você tem essas opções abaixo.

Vou adorar saber sua opinião.

Gratidão!!!

© Elaine Silveira, unicidade.org, 2015. É proibido o uso não autorizado e / ou duplicação deste material sem a permissão expressa e por escrito da autora deste site. Trechos e links podem ser utilizados, desde que o crédito seja claro e dado à Elaine Silveira, unicidade.org, com direção adequada e específica para o conteúdo original.

 

Salvar

Anúncios