O que move o inconsciente coletivo que leva todos à correria típica de fim de ano?

por Elaine Silveira www.unicidade.org

Há um movimento nessa época do ano que mobiliza as pessoas para a mudança e traz um estado de urgência na conclusão de tarefas, seja organizar a casa, jogar coisas velhas fora, cuidados pessoais, compromissos profissionais, preparar a casa para receber os familiares. E junto vem um grande incômodo em deixar pendências para o ano seguinte. Isso explica o alvoroço no mês de dezembro, quando todo mundo quer tudo pra ontem. É o chamado rush de fim de ano. O que não se realizou ao longo do ano precisa ser feito de qualquer jeito antes do dia 31 de dezembro para começar zerado no dia 1º de janeiro.

Captura de tela 2017-12-22 09.19.27

Junta-se a isso outro evento que é o Natal. Há duas postagens atrás falei da tristeza que as imagens do Natal podem gerar (para ler clique aqui) e muitas pessoas entram em sofrimento nessa época e não veem a hora disso tudo terminar. Isso ocorre porque nos perdemos no campo das ideias vazias, de símbolos que não dizem nada e imagens projetadas que não compreendemos. E sofremos porque não conseguimos fazer essa ponte entre as imagens exteriorizadas e o chamado interno para o despertar.

O que temos então são duas datas seguidas que trazem consigo a energia favorável à renovação. Isso de fato promove um chacoalhão interno que vai muito além de apenas uma mudança no calendário. Todo esse movimento enche as pessoas de esperança mas também gera ansiedade e muita expectativa: Tem algo novo por vir e eu preciso correr, preciso estar pronto e zerado para recomeçar.

Esse corre corre danado é uma interpretação equivocada e exteriorizada para algo que deveria ser, sobretudo, uma mudança interna, nos padrões de pensamentos, sentimentos e comportamentos. Mas estamos envolvidos demais com as imagens externas do Natal, comprar presentes, preparar a ceia, decorar a casa, e correr pra dar tempo de deixar tudo pronto, e fazemos isso porque no íntimo sabemos da importância desta data.

O Natal é um chamado, um lembrete para nos conectarmos à nossa essência com aquilo que se espera de nós como seres humanos.  No Natal temos como principal imagem Jesus, mas é também o nascimento individual de cada ser humano.  Para despertar o Cristo em nós.

Na postagem anterior, meu objetivo foi libertar você da necessidade de atender à demanda consumista projetada no Natal e deixar dar tanto significado ao Natal sob o ponto de vista das imagens e da matéria. O Natal não é um evento externo, mas sim um momento de interiorização.

Uma vez que você está desobrigado a atender às expectativas consumistas, vamos então fazer essa ponte entre a matéria e o espírito. Quando interiorizamos o Natal percebemos que toda simbologia traz consigo um cenário perfeito para o despertar. A vela é utilizada para dar a luz, o pinheiro na forma de cone representa o processo de crescimento e ascensão do homem até atingir a iluminação. O porquinho com a maçã na boca simboliza sacrificar os instintos humanos, o ego, para dar voz ao real Ser. A Estrela de Belém aponta o caminho e avisa que algo de  luz está chegando ao mundo.

De alguma maneira o homem projetou imagens para fora do que o Natal deveria representar em nós. No entanto, sem interiorizarmos o real sentido do Natal será apenas uma data comemorativa e de confraternização entre amigos e familiares. Confraternizar é bom mas não é alcançado o objetivo de Deus para nós. Ainda assim, ele investe pacientemente em nós e nos dá ano a ano novas possibilidades de despertar a consciência. Muitas pessoas sofrem nesta época por causa disso, de alguma forma elas percebem um chamado interno mas a verdadeira comunicação não se faz, não foi compreendida. E isso causa tristeza ainda que não se saiba o porquê. Mas por que sofrer se, na verdade, são oportunidades incríveis que nos são ofertadas?

Despertar no Natal para recomeçar o ano seguinte com uma nova consciência. Não se desespere, não precisa correr. Recomeçar é ter uma nova chance. O Natal é a oportunidade de colocar o amor à frente das coisas.  Alegre-se- Celebre. Não seria esse um motivo para ser feliz?

Não deixes nenhum desespero escurecer a alegria do Natal, pois o tempo de Cristo não tem significado à margem da alegria. (Livro Um Curso em Milagres T-15.XI.8:1

 

O conteúdo de unicidade.org é um convite à transformação através da meditação, ioga, alimentação e qualidade de vida, com textos que levam a dicas práticas para saúde do corpo, mente e espírito. O objetivo é trazer a cada um a capacidade pessoal de entender e lidar com as próprias dores. A conexão interna onde se encontram todas as respostas.

© Elaine Silveira, unicidade.org, 2017. É proibido o uso não autorizado e / ou duplicação deste material sem a permissão expressa e por escrito da autora deste site. Trechos e links podem ser utilizados, desde que o crédito seja claro e dado no início da postagem à Elaine Silveira, unicidade.org, com direção adequada e específica para o conteúdo original.

Para compartilhar com seus amigos ou deixar seu comentário vá para o final da postagem.

Vou adorar saber a sua opinião.

Gratidão!!!

Anúncios